Engenheiro Alberto Rodrigues de Sá, 266, Centro.

Seminário debate sustentabilidade e desequilíbrio social

Os últimos dias do 1° Seminário de Educação Ambiental Escolar foram marcados pelo pensar nas relações da sociedade para com o meio em que vivemos. Na última sexta (24) e sábado (25) o evento da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec) abriu espaço para que professores locais e convidados expusessem pontos de vista diferentes, mas convergentes, sobre o tema.

O destaque dos dois dias foi deixado para o final de semana onde, na palestra do doutor em Educação Carlos Roberto Machado, docentes tiveram a oportunidade de compreender como o conceito de meio ambiente pode ir além das discussões sobre ecossistema e atingir a qualidade de ensino. Após uma breve análise de dados estatísticos e históricos do município foi constatado que a realidade nortense é relacional e desigual, onde não é possível pensar a educação ambiental sem considerar o desequilíbrio social.

O coordenador do Curso de Pós-Graduação , Mestrado e Doutorado em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), afirmou que “a qualidade do ensino vai além da aprendizagem; passa pela infraestrutura e gestão democrática”. Segundo o palestrante o poder público deve focar na escola, mas pensando na cidade como um todo ao educar para a sustentabilidade.

Fonte: Assessoria de Imprensa PMSJN